“Espiritismo na cabeça é informação.

No coração é transformação”.

 

VOCÊ ESTÁ NA PÁGINA:

Uma palavra difícil de dizer

 

O conhecimento espírita explicado de forma simples e

ao alcance de todos: www.mundoespiritual.com.br

 

 

UMA PALAVRA DIFÍCIL DE DIZER 

 

O que você, caro leitor, entende ser prioritário

para o movimento espírita?

a) Discussões em torno de aspectos doutrinários?

b) Unirmo-nos numa organização forte?

c) Preencher aqueles espaços que entendemos

dever ocupar nas estatísticas?

d)  Provar ao mundo as nossas Verdades?

e) Sermos olhados com mais respeito, visando

sairmos da longa marginalização?

 

Estes são indubitavelmente objetivos justos, mas, será que não estão sendo para nós um desvio das metas prioritárias, mais urgentes e reais?

A propósito, convém lembrar a mensagem de Jesus à Igreja de Laodicéia (a última das sete igrejas)

através de João, em suas visões na ilha de Patmos (Apocalipse, 3: 16, 17 ).

“ Assim, porque és morno, e nem és quente nem frio,

estou a ponto de vomitar-te da minha boca; pois dizes: Estou rico e abastado, e não preciso de cousa alguma,

 e nem sabes que tu és infeliz, sim, miserável,

 pobre, cego e nu.”

 

Primeira página

A transição pede mudanças

Uma palavra difícil de dizer

Revendo enfoques

Alteridade

Campanha quinzenal

Dificuldades na casa espírita?

A transição e a mediunidade

AGENDA MÍNIMA para evoluir

Experiências compartilhadas

Como posso ser fraterno

A importância da prece

Exercícios individuais

Exercícios em grupo

Crescimento interior

Viver com ética

Para reflexão

Diversos

Download

Áudio

  

Mas é claro que essa advertência foi feita às outras religiões; não a nós, espíritas... Ou, será que foi a nós?...

Inspirando-nos nas informações do espírito Manoel P. de Miranda, no livro Trilhas da Libertação, psicografado por Divaldo Franco e, mediante outras observações, é possível fazer a seguinte narrativa:

 

 ***************************

O mais poderoso dos Gênios do mal, intitulado “Soberano Gênio das Trevas”, depois de longas análises do movimento espírita e de terem sido ouvidos os maiores especialistas nas mais diversas áreas, orientou seus assessores, os Comandantes dos Setores, dizendo:

– Quero que os ataques sistemáticos contra o Espiritismo sejam muito bem organizados.

Primeiro, vamos atacar com todas as possibilidades através do sexo, estimulando-o ao máximo, principalmente entre os líderes, médiuns, doutrinadores, oradores e todos os que lidam com o público. Esse é um velho sistema que sempre dá certo. Além disso, já temos os nossos esquemas prontos. Basta adaptá-los e ampliá-los de acordo com as situações.

Agora, prestem bem atenção porque vamos usar uma arma nova, infalível... Nova, agora, porque ela já foi usada com pleno sucesso há muito tempo atrás.

Nós vamos mudar o rumo das prioridades nos meios espíritas. Vamos estimular discussões em torno de temas como pureza doutrinária, cantar ou não nos centros espíritas, orar em pé ou sentado, de olhos abertos ou fechados, fazer ou não bingos e semelhantes, enfim, todos os temas que podem gerar belas polêmicas, para que não sobre tempo nem energia para cuidar da nossa maior inimiga... a ...

A palavra engasgava na boca do chefão, enquanto a platéia aguardava, curiosa. Por fim desistiu de pronunciá-la, continuando:

Quero também que estimulem o estudo da Doutrina...

Essa recomendação do Soberano deixou estupefatos todos os presentes, mas ninguém teve coragem de fazer qualquer observação. Rindo desagradavelmente, aquele ser tenebroso continuou:

Procurem acompanhar meu raciocínio. Os espíritas valorizam muito esse estudo. Então, se é impossível levá-los a abandoná-lo, que seria o ideal, vamos aproveitar essa característica para nosso benefício. Vamos estimular verdadeira febre de estudo. Deixá-los com a cabeça cheia de conceitos... tão cheia que esqueçam da nossa maior inimiga, a ...

A palavra novamente estava difícil de ser pronunciada. Todos estavam pendurados na fala do chefão, curiosíssimos para saberem qual era afinal essa terrível inimiga. Com dificuldade, o chefe concluiu:

A ... a...  reforma... moral.

Os Comandantes olharam-se, quase não acreditando em tanta astúcia na organização da maior estratégia de todos os tempos em sua luta contra a luz. Quando refeitos, todos, sem exceção, atiraram-se ao solo, genuflexos diante do Soberano. Este mandou que levantassem e continuou:

Levem os espíritas a acreditarem que ela... a ... nossa inimiga é tão difícil de ser alcançada que o Criador estabeleceu a reencarnação, como um caminho longo, interminável... para que nesse caminho a criatura tenha todo o tempo da eternidade para atingir aquela... meta.

Desta vez foram palmas estrondosas que estrugiram no ambiente. O soberano sorriu de novo, mais um esgar do que um sorriso e continuou:

  Não se esqueçam de que foi essa a arma com que vencemos o cristianismo nos seus primeiros séculos, transformando-o numa organização religiosa, muito preocupada com tudo menos com a vivência das “tolices” que o Cordeiro ensinou. Foi assim que conseguimos atenuar os seus efeitos, já que era impossível acabar com ele.

E, lançando um olhar de aço em torno, concluiu:

–  É isso que vamos fazer... Já que é impossível acabar com o Espiritismo, vamos atenuar os seus efeitos.

  Outra coisa – continuou. Façam os espíritas acreditarem que a tal da... a ... reforma... moral... pode ser substituída por estudos e por trabalhos de caridade... Eles vão gostar da idéia... e vão adotá-la.”

 

 ***************************

 

Lembramos então aos que dirigem, lideram ou trabalham nesta seara que aquela palavra tão difícil de ser pronunciada pelo Soberano Gênio das Trevas, a "reforma moral", deve ser a primeira prioridade do movimento espírita; deve ser a nossa bandeira de luta, a maior de todas as batalhas, que precisamos vencer.

E, por favor, não diga que esta é uma tarefa pessoal de cada um e não uma atribuição da instituição espírita. A instituição, desde o centro até as entidades federativas, estas últimas acima de todas, têm o dever de promover com todas as suas possibilidades a reforma moral, ou crescimento interior do seu “rebanho”, já que esta é a principal finalidade do Espiritismo.

Não estamos falando do que já se faz. É preciso fazer-se muito mais.

Se as nossas imperfeições são condicionamentos que adquirimos ao longo das encarnações, para corrigi-las teremos de passar por  um recondicionamento. E isto não se consegue com meras leituras, palestras e exortações. É preciso ação. Uma ação programada e permanente. Uma programação de ações e atitudes que formem um roteiro, capaz de produzir os resultados esperados.

O Espiritismo deve ser uma escola técnica, onde a teoria é aplicada em aulas práticas, ou oficinas.

Sem falar de alguns esforços localizados, entendemos que o movimento espírita, como um todo, está precisando ser atualizado com urgência. Não, no que toca ao marketing religioso, mas no que diz respeito a ajudá-lo em seu crescimento moral-espiritual. Ver o que há de bom nos meios leigos relacionados a cursos, técnicas, práticas, educação da mente, enfim, tudo sobre auto-ajuda, que possa ser adaptado aos fins propostos. Elaborar sugestões de atividades e técnicas para os centros poderem efetivamente ajudar seus trabalhadores e demais interessados em seu crescimento interior.

Neste momento é fundamental realizar-se uma grande campanha de âmbito nacional, usando todos os meios possíveis para despertar o nosso movimento, a fim de que fuja ao jogo estabelecido pelas Trevas e caminhe firmemente na direção apontada pelo Espírito de Verdade.

Será que o fato de saber que Jesus veio em corpo físico e não fluídico vai ajudar alguém a ser menos prepotente e vicioso, ou auxiliá-lo a superar seus medos, suas angústias e depressões?

Será que acreditar na virgindade de Maria vai tornar alguém pior do que é?

Calcule o quanto o movimento espírita já teria ganho em qualidade se os esforços e espaços hoje ocupados com polêmicas tivessem sido usados em campanhas pela reforma interior.

Iluminar o intelecto com as claridades da Doutrina Espírita é importantíssimo, mas essas atividades iluminativas jamais deverão ocupar o lugar da prioridade maior, o trabalho pela reforma moral.

Observemos que Divaldo Franco, de alguns anos para cá vem batendo nessa tecla da ação programada, ou seja, uso de técnicas de auto-ajuda que auxiliem o ser humano em seu crescimento.

Cremos que é disso que estamos mais precisando: voltar nossas vistas, nossos esforços para essa meta. Fazer do crescimento interior a primeira e maior de todas as prioridades e, tudo isso, buscando recursos que a modernidade oferece, que possam efetivamente ajudar a pessoa, tanto em sua reforma moral, quanto no seu crescimento como ser integral.

Não é essa a finalidade primordial da nossa Doutrina?

 Saara Nousiainen

Fortaleza-CE 

 

       

Voltar ao início da página